Crianças celíacas com a saúde em dia

Crianças celíacas com a saúde em dia

Confira as orientações da Dra. Katia Baptista quando o assunto é a saúde das crianças celíacas.

Segundo a gastropediatra e nutróloga infantil Katia Baptista, presidente da Acelbra-BA e membro da Sociedade Bahiana de Pediatria, crianças exigem mais cuidado tanto no diagnóstico quanto no tratamento, pois existem enfermidades da infância que simulam a doença celíaca – como intolerância à lactose, fibrose cística e doença inflamatória intestinal. Além disso, é necessária a confirmação do diagnóstico após um ano de dieta. “Adultos não requerem esta fase de provocação com o glúten. Se uma pessoa adulta apresentar os sintomas, tiver anticorpo positivo e houver alteração na biópsia, o diagnóstico da doença celíaca está fechado. No caso das crianças, o teste de provocação com a proteína é parte do protocolo de investigação da doença”, explica.

Article7082_Kind stiehlt Kekse.jpg

Durante o tratamento, alguns cuidados são fundamentais, segundo a doutora: “é importante evitar as trocas de merendas, ficar atento a contaminações nas festas infantis e, principalmente, ensinar às crianças a não comer nada oferecido por outras pessoas sem antes ter certeza de que o alimento não contém glúten”, reforça a doutora.

Desde junho de 2013, Katia Baptista atende no Ambulatório de Alergia do hospital Octavio Mangabeira, em Salvador, especializado em doenças alérgicas em geral, subdivididas em alergia alimentar, rinite, asma e alergia dermatológica. “Como o serviço é novo, a maioria dos pacientes já têm um diagnóstico e vêm para acompanhamento, mas também atendemos pacientes com diarreia e distensão abdominal para investigação, entre eles, crianças. Solicitamos exames e pedimos que eles retornem ao menos uma vez a cada seis meses. Também temos acompanhamento com uma nutricionista, além do alergologista e do imunologista, caso seja necessário”, explica. Atualmente, o ambulatório atende nas sextas-feiras das 14h às 17h passará a ampliar o atendimento para dois dias na semana.

Como responsável médica e coordenadora da Associação dos Celíacos da Bahia, Katia percebe um aumento dos casos da doença no estado, por conta da divulgação maior na mídia, sobretudo graças à internet. Ela também destaca uma melhoria do acesso aos serviços de saúde, tanto públicos quanto particulares e convênios, fatores que contribuem para o diagnóstico e tratamento da doença celíaca.

No site da Dra Katia Baptista há amplo conteúdo sobre o tema. Visite e tire suas dúvidas.